segunda-feira, abril 02, 2012

Eu nunca quis ficar noiva. Nesses vinte e tantos anos de vida eu nunca imaginei que um dia seria noiva de alguém, quiçá, que alguém desejaria ser meu noivo. Pois bem, sou noiva, de aliança com dedicatória e tudo. Já tem um tempinho isso, é que hoje uma amiga muito querida publicou um texto sobre um ano de noivado feito por seu noivo. Lembrei da nossa história, meu amor. De quando, do nada, resolvemos que queríamos noivar. Já sabíamos que casaríamos mais cedo ou mais tarde (no caso mais tarde, já que a entrega do nosso apartamento está de rosca), mas a gente queria, oras. Pois bem, nada de festa, jantares, família, brindes e comerações. Éramos nós dois e o nosso amor, como foi desde aquela troca de olhares no bendito rei do pastel. Era um sabado nublado, fomos ao shopping que eu mais gosto(SP marketing, amor?), almoçamos japonês por kilo (porque somos pobrinhos mas temos bom gosto), tomamos um yogo e escolhemos juntos as nossas alianças. Quando entramos no carro pra ir embora, lembro bem, você abriu a caixinha da aliança, pegou a minha mão e disse: "Que seja doce, meu amor". Bem a expressão predileta do Caio Fernando, o meu escritor favorito. E você, docemente, lembrou que a sua delicadeza em ressaltar que me conhece tão bem, faria mais sentido pra mim que as mais belas declarações do mundo. A única coisa que me deixaria sem palavras naquele momento, seria te ouvir recitar qualquer coisinha boba escrita por um cara que esteve presente em quase todas as declarações de amor que eu fiz pra você nesses anos tantos. E foi assim que eu, tão dada a textos melosos, coloquei a aliança no seu dedo direito sem dizer nada. E não foi preciso. Você soube. De tanto amor, eu me calei.

Um comentário:

Nadine Ramos disse...

Então a minha publicação de 1 ano de noivado te inspirou..?? rs, que bom saber disso. Porque suas palavras que geralmente me inspiram. Nunca pare de escrever, minha Jans! Te amo, mesmo vc ligando só para os seus pequenos!